Tratamento genético contra o câncer ativado por um comprimido

Padrão

Um tratamento novo e diferente contra o câncer usa terapia genética para induzir uma resposta imunológica de combate ao câncer cuja intensidade pode ser controlada com comprimidos. A combinação pode ajudar a adequar o tratamento à resposta individual de cada paciente.

 

cancer

Um tratamento novo e diferente contra o câncer usa terapia genética para induzir uma resposta imunológica de combate ao câncer cuja intensidade pode ser controlada com comprimidos. A combinação pode ajudar a adequar o tratamento à resposta individual de cada paciente.

O tratamento usa células do próprio paciente, ou células cancerígenas, para produzir cópias extras de uma molécula natural que é como um hormônio, chamada interleucina 12 (IL-12), que regula as respostas imunológicas antitumorais. A Ziopharm Oncology anunciou semana passada um estudo clínico para o tratamento de pacientes com câncer de mama. A empresa já está testando a substância em pacientes com melanoma.

Muitos pesquisadores exploraram os métodos que aumentam a resposta natural usada pelo organismo para detectar e atacar células cancerígenas. O controle dessas células destruidoras do sistema imunológico às vezes pode ser um desafio para os pesquisadores. Nos anos 90, pacientes com câncer receberam a IL-12 em um estudo clínico e morreram por causa de seus efeitos colaterais tóxicos.

‘A IL-12 é um regulador do sistema imunológico muito potente, que pode produzir muitos efeitos colaterais’, afirma Per Basse, médico-cientista da Faculdade de Medicina da Universidade de Pittsburgh, e estudioso das células do sistema imunológico e sua capacidade de combater o câncer. ‘Como clínico, eu gostaria de conseguir ajustar para cima e para baixo e interromper o processo caso a situação não pareça muito boa’, afirmou.

cancer-1024

Com intuito de evitar os efeitos colaterais perigosos da IL-12, o método da Ziopharm foi desenvolvido para controlá-la usando uma combinação de terapia genética e medicamento de origem química. Para introduzir o gene da interleucina 12, um vírus é injetado no tumor. No início, ele não produz a IL-12 porque permanece inativo. Para ativá-lo, o paciente precisa tomar um comprimido que fornece outra molécula. O benefício está em poder interromper o uso do medicamento caso o paciente comece a apresentar efeitos colaterais nocivos. ‘É possível desistir caso o tratamento não dê certo’, afirma o diretor-executivo da Ziopharm, Jonathan Lewis.

Uma versão do receptor que controla a descamação dos artrópodes (insetos, aranhas e crustáceos) modificada para determinar se o gene da interleucina 12 está ativo é o elemento fundamental desse método induzível. O gene desse receptor, que também é inserido no corpo por meio de vírus, está sempre ativo, mas a produção da proteína, ou expressão da interleucina 12, é ativada pelo comprimido. O Ziopharm licenciou o método de controle da Intrexon para ser usado em seu tratamento oncológico.

‘A capacidade de indução é uma grande ideia, mas o segredo está em conseguir alguma substância que possa ser inserida no tumor’, afirma Ralph Weichselbaum, pesquisador de tumores da Universidade de Chicago, que trabalhou em um tratamento contra o câncer induzido por radiação. Atualmente, a Ziopharm injeta vírus com o gene diretamente no tumor dos pacientes, mas Lewis diz que, no futuro, a empresa pretende injetá-los nos músculos. ‘As células musculares são fábricas de produção de proteínas extremamente eficazes’, afirma.

A introdução do vírus em um único tumor gera efeitos sobre outros tumores tanto em animais de laboratório como em humanos. Em estudos com animais, o tumor que recebe a injeção fica maior no início, devido ao acúmulo de células do sistema imunológico causado pela reação à interleucina 12. ‘Em seguida, ele fica menor e desaparece’, afirma Lewis. Isso também ocorre com os tumores que não receberam a injeção: eles crescem, depois encolhem e desaparecem. ‘Estamos observando a mesma reação em pessoas’, afirma Lewis.

Esse método poderá ser usado no futuro para fornecer diversos tratamentos genéticos ao mesmo tempo, afirma Lewis. ‘Com uma injeção, seria possível controlar três ou quatro proteínas destruidoras de câncer de modos diferentes.’

 

 

Fonte:

The New York Times

http://nytsyn.br.msn.com/cienciaetecnologia/tratamento-gen%C3%A9tico-contra-o-c%C3%A2ncer-ativado-por-um-comprimido#page=0

 

The New York Times News Service/Syndicate – Todos os direitos
reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização
por escrito do The New York Times.

Sobre Luciana Sant'Ana Prado

Fundadora e terapeuta do Instituto Alma Consciente. Graduada em instituições internacionais na Espanha, China e Brasil. Atuação na rede de saúde pública e privada através das medicinas Chinesa, Ayurvédica, Botânica e demais terapias naturais tradicionais, contemporâneas e modernas. Experiência em Acupuntura, Massoterapia, Iridologia, Reiki, Aromaterapia, Florais e diversas terapias naturais em crianças, adolescentes, adultos, idosos, gestantes e portadores de necessidades especiais. Voluntária desde 2005 em projetos sociais e formada em diversos cursos livres na área da saúde e terapias energéticas.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s